Canabidiol e o Cancro

O cancro é uma doença dramática e altamente mortal. Segundo um estudo publicado em 2012, cerca de 14,1 milhões de pessoas são diagnosticadas com cancro, anualmente. No entanto, espera-se que esta incidência aumente para os 23,6 milhões de novos casos por ano, até 2030.

No mesmo estudo de 2012, realizado pela Cancer Research UK, foram relatadas cerca de 8,2 milhões de mortes anuais, o que demonstra uma mortalidade próxima dos 60% entre os doentes oncológicos. Os tipos de cancro mais comuns são do pulmão, do fígado, do estômago e do intestino. O principal fator de risco é o tabagismo, que é responsável por cerca de 33% de todos os cancros.

Os tratamentos do cancro atualmente utilizados são eficazes?

Depende do tipo de cancro e do estado de evolução em que ele se encontra. Existem cancros que podem ser totalmente eliminados com tratamentos simples ou um pouco mais complexos. No entanto, se o cancro for de um tipo agressivo ou se estiver num estado muito avançado, pode ser bastante difícil controlar a sua evolução e as graves consequências que ele acarreta para a saúde.

Os tratamentos atualmente utilizados incluem:

  • Cirurgia para remoção do tumor
  • Quimioterapia
  • Radioterapia
  • Terapia hormonal
  • Imunoterapia
  • Transplante de células estaminais

O canabidiol poderá ser uma ajuda?

Esta é uma pergunta que tem intrigado muitos investigadores. Com o aumento do número de estudos sobre oncologia, vários se têm debruçado sobre técnicas inovadoras de tratamento, incluindo a utilização de canabinóides como o THC e o canabidiol.

Uma revisão sistemática, publicada em 2014, demonstrou que o canabidiol apresenta um forte efeito antitumoral em doentes com glioma, um tipo de cancro que afeta o Sistema Nervoso Central. Todos os 16 estudos nos quais se baseou esta revisão provaram que o canabidiol e o THC possuem efeitos antitumorais, o que levou os investigadores a concluir que devem ser realizados mais estudos sobre o tema.

Outro estudo, realizado em 2015, incluiu 279 doentes oncológicos que relataram melhorias significativas em sintomas como dor, perda de apetite e náuseas. Alguns destes efeitos encontram-se bem documentados e mostram que a influência do canabidiol sobre o cancro pode ir além do controlo da doença.

De que forma o canabidiol ajuda a tratar os doentes com cancro?

Como acabamos de referir, o canabidiol pode ser altamente benéfico no controlo de alguns dos principais sintomas do cancro. No entanto, o seu efeito sobre a evolução da doença também pode ser muito importante.

Um dos maiores efeitos anticancerígenos do canabidiol prende-se com o seu potencial anti-angiogénico. A angiogénese (formação de novos vasos sanguíneos) é um dos principais processos envolvidos no crescimento tumoral e na metastização. Desta forma, a inibição deste processo ajudará a impedir o crescimento do tumor e a evitar que ele metastize.

Outro processo fundamental para a formação de metástases é a invasão de tecidos localizados em órgãos distantes do tumor primário. Estudos realizados em ratos mostraram que o canabidiol e o THC reduzem o poder de invasão das células cancerígenas, o que nos permite afirmar que o canabidiol apresenta um duplo efeito antimetastático que pode ser altamente benéfico.

Mas a utilidade do canabidiol no cancro pode ir muito além do tratamento! O efeito antioxidante que ele oferece pode ser empregue na prevenção da doença, uma vez que a oxidação é um dos processos envolvidos no desenvolvimento de células cancerígenas.

Por tudo isto, é importante continuar a investigar a melhor forma de utilizar o canabidiol no tratamento de doentes oncológicos. Poderá estar aqui uma esperança renovada para estes doentes!