Canabidiol e a Esclerose Múltipla

A esclerose múltipla é uma doença crónica, inflamatória e degenerativa que afeta o Sistema Nervoso Central. Atualmente, cerca de 2.5 milhões de pessoas espalhadas pelo mundo inteiro sofrem desta patologia assustadora e altamente limitativa. O aspeto mais tenebroso deste problema neurológico é o facto de surgir essencialmente em indivíduos com idades compreendidas entre os 20 e os 40 anos, ou seja, quando se encontram a usufruir do potencial máximo das suas capacidades. A própria condição de doença crónica (que persiste até ao fim da vida) e degenerativa (que se vai agravando progressivamente) tornam a esclerose múltipla numa das doenças mais temidas. Felizmente, os tratamentos disponíveis têm melhorado a cada ano que passa e o canabidiol poderá vir a ajudar nesta evolução.

CBD Esclerose Múltipla

Canabidiol e a Esclerose Múltipla

O que provoca a esclerose múltipla e quais são os seus sintomas?

O processo patológico básico subjacente ao desenvolvimento da esclerose múltipla é o ataque do sistema imunitário à bainha de mielina. O que é isto da bainha de mielina? É tão simplesmente o revestimento externo dos neurónios, responsável por protegê-los e por permitir que o impulso nervoso se propague a uma velocidade superior. Por este facto, a destruição da bainha de mielina irá atrasar a propagação do impulso nervoso. Consoante a área do Sistema Nervoso Central afetada, os sintomas poderão incluir:

  • Entorpecimento ou fraqueza de 1 ou mais membros
  • Diplopia (visão dupla)
  • Perda parcial ou total da visão
  • Sensação de choque elétrico que percorre toda a coluna vertebral, despoletada por alguns movimentos do pescoço (sinal de Lhermitte)
  • Formigueiro ou dor em algumas partes do corpo
  • Tremor
  • Espasmos
  • Descoordenação motora
  • Distúrbios do sono

O canabidiol poderá ser uma opção terapêutica?

Sim, sem qualquer dúvida! No entanto, é importante que esteja consciente do facto de ainda não existirem opções terapêuticas que curem a doença. Os tratamentos que atualmente são administrados procuram atrasar a sua evolução, diminuir a gravidade das crises e atenuar os sintomas. É essencialmente neste último grupo que se enquadra a utilização do canabidiol. Por isso, não espere ele que acabe de vez com a doença, pois infelizmente não será capaz de o conseguir. De qualquer das formas, os benefícios dos extratos de cannabis na melhoria de sintomas como os espasmos e a dor neuropática são tão grandes que a Academia Americana de Neurologia aconselha mesmo a sua utilização no contexto da medicina alternativa, podendo ser administrados em conjunto com os tratamentos convencionais.

O canabidiol não apresenta mais benefícios, além do alívio da dor e dos espasmos?

Compreendo que esta seja a dúvida que paira na sua mente, neste momento. Falando a respeito das guidelines oficiais, a Academia Americana de Neurologia desaconselha a utilização de canabidiol e de outros extratos de cannabis com objetivos terapêuticos que não sejam os de atenuar os sintomas anteriormente referidos. No entanto, vários estudos científicos recentes têm provado que o canabidiol, constituinte do óleo de CBD, também poderá ajudar a regular a inflamação secundária à destruição da bainha mielina e a atenuar os distúrbios do sono.

Texto por Rui Gomes

Comentar